Posts in Tendências

O que alunos e professores devem saber sobre segurança digital

14/02/2020 Posted by Pessoas, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “O que alunos e professores devem saber sobre segurança digital”

Cada vez mais presente nas escolas, internet é uma ferramenta extraordinária, mas traz riscos.

 

Embora lenta, a adoção de novas tecnologias de ensino pelas escolas da rede pública e privada do Brasil avançou na última década. Mais de 90% das escolas públicas contam com acesso à internet, embora nem sempre disponibilizado aos alunos. Os dados são do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação. As escolas privadas estão na frente e, apesar de que apenas 47% tenham laboratórios, a maioria faz uso efetivo dos sistemas disponíveis.

A infraestrutura de acesso ao computador e à internet são apenas um passo e, ao redor do mundo, estão em andamento centenas de experiências de aplicação nas salas de aula das novas tecnologias de comunicação e informação. Mais e mais a relação entre professores e alunos é mediada pela rede. E, portanto, está sujeita a problemas que vão de simples mau uso (mas com efeitos devastadores) à ataques de cibercriminosos. Entre os riscos mais conhecidos estão:

  • Wi-fi não-seguro: Muitas redes disponibilizadas em escolas são tão vulneráveis como redes públicas de cafés, aeroportos ou praças. Algumas utilizam tecnologia pré autenticação PSK, facilitando o acesso de pessoas não-autorizadas a qualquer dispositivo conectado à rede.
  • Práticas obsoletas de proteção: A segurança digital das instituições de ensino é tão forte como seu elo mais fraco. Um simples software não atualizado pode permitir a invasão de um computador e, por ele, cibercriminosos acessam o restante da rede.

Nos Estados Unidos, o FBI divulgou uma lista de ações a serem seguidas pelos responsáveis pelas escolas, pais e estudantes. As instituições devem, como primeira ação, identificar quais informações estão em sua posse, hierarquizando o que é estratégico e sigiloso, como os dados pessoais dos alunos, assim como suas notas, por exemplo. Além de alinhadas com as regras da Lei Geral de Proteção de Dados, as práticas de segurança devem ser constantemente reavaliadas.  Atividades suspeitas devem ser monitoradas e as contra-ações decididas previamente, com a elaboração de um plano de respostas a incidentes.

Os pais devem participar das ações de proteção, afirma a especialista Emily Kowalsky. Ela reforça a importância de efetivamente verificar se o celular ou notebook do filho está atualizado e com sistemas ativos de proteção (firewalls e antivírus). Mesmo jovens, os alunos devem saber reconhecer um ataque de phishing, por exemplo, ou uma rede não segura. Um pai deve ter acesso às senhas dos filhos menores e consultar o histórico de navegação com frequência.

O compartilhamento de informações pessoais no ambiente escolar é um risco efetivo e muitas escolas desenvolvem campanhas de prevenção. A foto ou comentário compartilhada em privado com o colega vira um caso de grande repercussão ao vazar para o grupo de colegas. O mesmo vale para professores.

A internet é uma extraordinária ferramenta de aprendizagem, divertimento, lazer e interação, mas esconde seus perigos, em casa, no trabalho, e com certeza na escola. Vale ficar atento.

Dr. Algoritmo e o coronavírus

07/02/2020 Posted by Pessoas, Tendências 0 thoughts on “Dr. Algoritmo e o coronavírus”

Inteligência artificial previu surto antes do alerta da OMS e está sendo usada na luta contra a doença.

 

O mundo está sobressaltado com as notícias de que o ainda pouco conhecido coronavírus acometeu milhares de pessoas na China e começou a se espalhar por outros países. A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu a notificação do surto da doença em 9 de janeiro, três dias depois de uma nota do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos. Mas quem primeiro notou o perigo que se aproximava foi um algoritmo de inteligência artificial.

Em 31 de dezembro do ano passado o sistema da healthtech canadense BlueDot enviou a seus clientes um alerta de possível doença em regiões onde o coronavírus se manifestou. E mais. Ainda foi capaz de antever alguns dos primeiros destinos para os quais a enfermidade foi “exportada”: Seul, Taipei, Tóquio e Bangkok. 

O BlueDot se baseia em dados coletados de agências de notícias em 65 idiomas, redes de pesquisa de doenças em animais e plantas, comunicados oficiais de empresas do agronegócio e pecuária, entre outras. Um grupo de 40 colaboradores, entre cientistas e programadores, qualifica os dados, desconsiderando o que não é credível e acrescentando informações complementares. 

Por meio de Machine Learning todo esse volume de dados é lido e interpretado, gerando os alertas – que por ora são direcionados apenas aos clientes da empresa, público que deve ser ampliado em breve, segundo o fundador e CEO da BlueDot, Kamran Khan. “Podemos captar notícias de possíveis surtos, pequenos murmúrios, fóruns ou blogs com indicações de algum tipo de evento incomum acontecendo”, descreve. Há, segundo ele, um grande esforço para que as informações sejam validadas, de forma a não gerar alarmes falsos e ondas de pânico. 

A solução desponta como uma funcionalidade importante, que promete mais celeridade em relação aos organismos oficiais. “Sabemos que não se pode confiar nos governos para fornecer informações sensíveis em tempo hábil”, comenta Khan. Os interesses políticos e econômicos em não divulgar a gravidade de certos problemas pode, de fato, influenciar na rapidez em que a informação chega à população. 

Um soldado na luta contra o vírus

A inteligência artificial também está a serviço do tratamento dos casos e do gerenciamento de toda a batalha contra o coronavírus. Autoridades de Xangai lançaram dias atrás um robô capaz de conversar com as pessoas, identificar seu quadro de saúde e recomendar ações que minimizem riscos de contágio.“Com base em sua condição, é aconselhável que você fique em casa para uma observação de quarentena de 14 dias. Enviaremos suas informações aos centros de saúde comunitários para acompanhamento”, diz o sistema, em um exemplo de intervenção. 

Em Pequim e Shenzen, ferramentas de IA integrantes dos sistemas de controle de aeroportos e estações de trem detectam o calor corporal dos passageiros, identificando áreas de aglomeração. Assim, consegue piorizar viagens que diminuam o número de pessoas em uma mesma plataforma e até mesmo verificar sinais de febre em um indivíduo. 

O coronavírus têm mostrado um potencial de contaminação muito rápido, estando próximo de alcançar o número de casos registrados de Ebola e já tendo superado em quase quatro vezes as ocorrências de SARS. Felizmente, seu percentual de letalidade (2,0% dos casos) é bem inferior ao dessas duas doenças (43,9% e 9,6%, respectivamente) e do H1N1 (17,4%). 

Seguimos todos – humanos e algoritmos – na expectativa de que o surto seja contido.

(Crédito da imagem: _freakwave_ por Pixabay)

O futuro da aviação, além da nuvem

05/02/2020 Posted by Negócios, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “O futuro da aviação, além da nuvem”

Inovações que logo logo devem chegar aos aeroportos. 

 

Qualquer pessoa que já viajou de avião sofreu com a angústia de não se atrasar no trânsito até o aeroporto, com as incertezas sobre as condições meteorológicas previstas para o vôo e com o incômodo da demorada espera nas esteiras para recolher a bagagem, isso para citar só alguns exemplos.

Com o foco em resolver questões como essas e proporcionar uma experiência mais satisfatória para os usuários, a indústria da aviação tem buscado nas ferramentas de inteligência artificial e análise de dados soluções para melhores viagens.

Um exemplo é a Delta Air Lines, cujo CEO, Ed Bastian, anunciou recentemente os planos da empresa para que dentro de alguns anos sejam notadas significativas diferenças. “Hoje vocês vão ver como as viagens serão em 2025”, disse ele antes de apresentar algumas inovações que estão sendo preparadas pela companhia. 

Em uma pesquisa feita pela Delta, usuários e funcionários utilizaram fitbits (espécie de pulseiras inteligentes muito usadas por esportistas) para identificar quais são os momentos de maior tensão. Interações mais amistosas e acolhedoras dos atendentes, como era de se esperar, fazem com que as pessoas se sintam mais à vontade e menos tensas.

O deslocamento que precede o embarque mostra um dos picos de estresse. Por isso o aplicativo da companhia aérea vai fornecer informações de tráfego e acompanhar o trajeto dos clientes até o aeroporto. Em parceria com a Lyft, também será possível solicitar corridas diretamente pelo app. 

Os meteorologistas da empresa fornecerão informações sobre a previsão do tempo e as chances de turbulência nos voos. Há também a expectativa de incorporar o serviço de entrega das bagagens diretamente no destino final dos passageiros, aprimorar o rastreamento das malas e tornar o processo de embarque mais rápido com identificação biométrica.

Também temos exemplos brasileiros. O aplicativo do Aeroporto Internacional de Guarulhos – o maior da América do Sul – já fornece mapas dos terminais, a relação e a localização das lojas e serviços em cada um deles e indica rotas de acesso e informações de trânsito. Recentemente a GOL implantou pela primeira vez no Brasil o embarque por biometria facial no Aeroporto do Galeão, no Rio.

Outro dos destaques na fala de Ed Bastian é a ideia de proporcionar mais personalização e comodidade por meio da exibição, em telas individuais, de informações direcionadas a cada um dos passageiros, tais como o portão de embarque e indicações de como chegar até ele, além de opções de entretenimento.

Os anúncios foram feitos durante a Consumer Electronic Show (CES) 2020, realizada no início do mês em Las Vegas, e podem ser assistidos aqui

(Crédito da imagem: Jan Vašek por Pixabay)

Raio-X da Inteligência Artificial na Saúde

23/01/2020 Posted by Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “Raio-X da Inteligência Artificial na Saúde”

Entidade norte-americana publica relatório com panorama da interface entre IA e medicina.

 

A National Academy of Medicine (NAM), entidade que reúne profissionais e estudiosos de medicina dos Estados Unidos, publicou em dezembro um relatório com informações sobre o cenário atual da interface entre o campo da saúde e as ferramentas e aplicações de Inteligência Artificial. 

A publicação “Artificial Intelligence in Health Care: The Hope, the Hype, the Promise, the Peril” tem entre seus co-editores Michael Matheny, do Centro Médico da Universidade Vanderbilt. Ele comenta:

“É fundamental que a comunidade de assistência médica aprenda com os sucessos, mas também com os desafios e as falhas recentes no uso dessas ferramentas. Decidimos catalogar exemplos importantes na IA de assistência médica, destacar as melhores práticas em torno do desenvolvimento e implementação da IA e oferecer pontos-chave que precisam ser discutidos para que se chegue a um consenso sobre como abordá-los como comunidade e sociedade”.

O relatório aborda, entre vários tópicos, soluções em IA atuais e que estarão disponíveis no curto prazo, elenca desafios, limitações e práticas recomendadas para desenvolver, adotar e manter funcionalidades de IA, traça um panorama do cenário legal e regulatório dessas ferramentas para o uso em serviços de saúde, destaca a necessidade de uma visão plural e igualitária e um viés de direitos humanos na programação desses sistemas e aponta caminhos para o avanço na área. 

Algumas práticas vêm demonstrando resultados bastante positivos e têm se disseminado em hospitais e centros de pesquisa, como já abordamos em outro artigo. Por outro lado, também têm sido discutida, entre outros dilemas e questões, a ocorrência de vieses preconceituosos nos algoritmos, a chamada “discriminação algorítmica”, assunto do qual também já falamos por aqui

A expectativa de Matheny e dos demais colaboradores do trabalho é que ele possa contribuir para o diálogo sobre a inclusão e tratamento justo dos pacientes com o auxílio da IA. Como resume a NAM, em comunicado oficial: “A IA tem potencial para revolucionar os cuidados de saúde. No entanto, à medida que avançamos juntos para um futuro apoiado pela tecnologia, devemos garantir altos padrões de qualidade dos dados, que a equidade e a inclusividade sempre sejam priorizadas, que novas as tecnologias sejam apoiadas por educação e treinamento apropriados e adequados, e que todas as tecnologias sejam adequadamente regulamentadas e embasadas por legislação específica e adaptada”. 

(Crédito da imagem: EVG Photos)

Bactérias e computadores: Bio-IoT

16/01/2020 Posted by Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “Bactérias e computadores: Bio-IoT”

Experimento explora a capacidade dos microrganismos para transportar e armazenar informações, o que pode resultar em uma versão biológica da Internet das Coisas.

 

A cada vez mais complexa rede de dispositivos conectados entre si e trocando dados a todo momento vem sendo chamada de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês). A integração desses aparelhos e itens do dia a dia tem se mostrado uma tendência que promete estar presente em nossas vidas por muito tempo. São os softwares e circuitos eletrônicos tornando nossa vida mais fácil.

Mas um grupo de cientistas vêm explorando possibilidades que vão além das máquinas. Em 2018 o italiano Federico Tavella coordenou um trabalho que fez com que bactérias Escherichia coli recebessem e transmitissem mensagens simples, tais como “Olá, mundo!”. O fato de as bactérias serem capazes de se “comunicar” de forma eficaz, possuírem diversos mecanismos e “sensores” e uma complexa arquitetura de armazenamento e processamento de informações chama a atenção. 

As E. Coli guardam informações nos plasmídeos, estruturas de DNA em forma de anel, e podem transmiti-las a outros espécimes por um processo chamado de conjugação. Além disso, elas se movimentam, possuem receptores na parede celular que detectam luz, temperatura, substâncias químicas etc e são minúsculas. Para completar, são organismos relativamente fáceis de “projetar” e manipular. 

A partir dessa constatação Raphael Kim e Stefan Poslad, professores da Universidade Queen Mary de Londres, se debruçaram sobre a pergunta: se é assim, por que não usar bactérias para desenvolver uma versão biológica da Internet das Coisas?

As aplicações, segundo eles, podem ser as mais variadas. “As bactérias podem ser programadas e implantadas em diferentes ambientes, como o mar e as ‘cidades inteligentes’, para detectar toxinas e poluentes, coletar dados e realizar processos de biorremediação”. E mais: “Abrigando DNA que codifica hormônios úteis, por exemplo, as bactérias podem nadar para um destino escolhido dentro do corpo humano, produzir e liberar hormônios quando acionadas pelo sensor interno do micróbio”, comentam. 

Mas há também preocupações quanto ao que pode acontecer se o uso desses microrganismos for amplamente difundido. A começar pelo fato de que as bactérias não possuem GPS nem funcionam como computadores nos quais a mensagem sai de um lugar específico e se direciona a outro(s) de forma razoavelmente rastreável. Há limites em controlá-las.

Também o processo de evolução desses seres, com mutações e seleções, pode gerar consequências imprevisíveis. Sem falar no risco de pessoas mal-intencionadas entrarem no jogo e interferirem de forma negativa, tal qual um hacker espalha um vírus de computador. 

Fica a tarefa para a comunidade científica, a de refletir sobre as possibilidades e os limites dessa vertente. “Esses desafios oferecem um espaço rico para discussão sobre as implicações mais amplas dos sistemas da Internet das Coisas, impulsionados por bactérias”.

 

Computação quântica versus criptografia: uma ameaça?

09/01/2020 Posted by Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “Computação quântica versus criptografia: uma ameaça?”

Avanços da Computação Quântica impressionam, mas também preocupam especialistas em segurança.

Sinais concretos de uma Computação Quântica funcional já começam a aparecer. Após a notícia de que a Google pode ter alcançado esse feito com seu processador Sycamore, essa realidade parece cada vez mais próxima. Nesse contexto, é natural que cientistas e empresas busquem se aprimorar e sair na frente dessa corrida tecnológica.

Quanto mais estudos sobre o tema, mais se especula sobre as possibilidades que a Computação Quântica pode trazer, aumentando as expectativas mas também as preocupações, sendo a segurança uma das mais urgentes.

A criptografia é a base da segurança na internet e é essencial para comércio, privacidade e até mesmo segurança nacional. A criptografia moderna consiste na codificação de informações para que o acesso a elas seja limitado, normalmente por quem possui a “chave” para esse código, como é o caso das senhas em sistemas online. Esses dados estão relativamente seguros nos dias de hoje, ainda que a ação de crackers possa ser uma ameaça.

A Computação Quântica se  baseia em máquinas capazes de fazer cálculos muito mais rápidos que as atuais, aumentando a eficiência e até otimizando o consumo de energia, e isso abre portas para os mais diversos avanços, desde simulações, modelamentos e análises complexas. Mas esse poder de processamento também pode servir a pessoas mal-intencionadas. Especialistas temem que o processo de desencriptação seria muito mais fácil e rápido em computadores quânticos e, assim, boa parte da nossa base de dados estaria desprotegida.

A Dra. Jill Pipher, Presidente da Sociedade Americana de Matemática, pesquisadora das ameaças à segurança que vêm com essa nova vertente tecnológica, alerta: “devemos começar agora a preparar todos os nossos sistemas de segurança da informação para resistir à computação quântica. Primeiro, perceber o poder da computação quântica e [segundo] proteger contra os perigos que ela pode trazer.”

Pipher acredita que um método de criptografia que tem potencial de resistir à computação quântica é o que desenvolveu em 1996 com Jeffrey Hoffstein e Joseph Silverman, chamado NTRUEncrypt. Ele é mais eficiente que outros tipos tradicionalmente usados, como o RSA (Rivest-Shamir-Adelman) ou ECC (criptografia de curva elíptica). “Descobrimos que o sistema de criptografia que construímos não pode ser quebrado por um computador quântico”. Mas mesmo com essa aposta, ela conclama para que mais pesquisadores se empenhem em buscar soluções: “Precisamos de muito mais pesquisas nessa área”. 

Imagem gerada por algoritmo

Inteligência artificial: o assunto do ano

06/01/2020 Posted by Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “Inteligência artificial: o assunto do ano”

Em retrospectiva de 2019 no blog da GoToData, o tema foi dos que mais despertou o interesse dos leitores. 

A Inteligência Artificial (IA) saiu dos filmes de ficção científica e já está entre nós, às vezes muito mais do que nos damos conta. Não à toa o assunto apareceu por várias vezes aqui no blog da GoToData, e nem é necessário um algoritmo para atestar isso. Ao longo de 2019 trouxemos notícias e reflexões sobre diversos aspectos dessa tecnologia que revoluciona o mundo. 

As ferramentas que fazem uso da IA e passaram por aqui são as mais variadas e intrigantes. Desde o algoritmo capaz de encontrar a solução para um cubo mágico em questão de segundos e o sistema que auxilia a escolha dos filmes da Sessão da Tarde – e adora o Adam Sandler! –, até a tecnologia que permite a um catéter “navegar” pela corrente sanguínea em busca de vazamentos e um veículo a andar de forma inteligente e autônoma

Nessa jornada, descobrimos que até já existem máquinas incrivelmente competentes em escrever textos e ficamos preocupados com o futuro dos nossos redatores humanos! Uma brincadeira, é claro, mas que nos remete à atenção que vários especialistas têm dado às implicações do desenvolvimento da automação e da IA no mundo do trabalho. Falamos do receio de sermos superados ou até mesmo dominados pelas máquinas e de como a IA pode criar, na opinião do escritor e historiador israelense Yuval Noah Harari, uma “geração de inúteis” (do ponto de vista econômico e financeiro). Parece consenso que só os diferenciais dos humanos em relação às máquinas e um pacto global pelo desenvolvimento consciente e responsável da tecnologia podem nos salvar. 

Nesse sentido, refletimos sobre como a presença de uma visão humanista dentro das equipes que criam, aperfeiçoam e utilizam os sistemas de IA é cada vez mais necessária, para torná-los mais úteis e evitar, por exemplo, que reproduzam julgamentos e visões preconceituosas. Vários experimentos baseados na interlocução de humanos com robôs caminham no mesmo sentido de buscar equilíbrio e explorar o potencial positivo dessa relação, como o que colocou computadores para mediar conflitos, o que analisou a posição das pessoas diante de um dilema moral envolvendo robôs e o que testou o quanto os participantes se afetavam com a pressão exercida por um agente não-humano

Em 2020 e nos anos seguintes a aposta é que o assunto – tão atual e relevante que marcou presença forte até mesmo na última prova do ENEM – continuará na pauta do desenvolvimento científico e seguirá impactando nossas vidas. O futuro próximo promete grandes doses de inovação. Vamos juntos acompanhar as cenas dos próximos capítulos?

O que deve estar na agenda dos CIOs?

06/01/2020 Posted by Negócios, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “O que deve estar na agenda dos CIOs?”

Levantamento da Gartner mostra insights para líderes de informação e tecnologia.

“Há uma marcha implacável em direção à maturidade digital”. E mais: “o digital não é mais um diferencial”. Com essas frases categóricas – afirmações que já não são tão surpreendentes assim para você que acompanha o blog da GoToData e está ligado nas tendências –, o analista do Gartner Andy Rowsell-Jones apresentou os resultados da pesquisa CIO Agenda 2020

O levantamento, realizado anualmente pelo Gartner Inc., trouxe em sua última edição dados acerca dos processos de transformação digital. Dos mais de mil CIOs (Chief Information Officer) entrevistados, 40% afirmaram que conseguiram escalar iniciativas digitais que fomentaram a tecnologia para gerar mudanças significativas em seus negócios, o que representou um aumento de 17% em relação ao período anterior. 

Entretanto, a maior parte das organizações está só aprimorando os modelos de negócio já existentes, e não promovendo transformações a partir de suas vulnerabilidades. Desses insights surgem algumas dicas para enfrentar essas ameaças e os ciclos de disrupção digital:

  • É preciso analisar bem os horizontes do negócio e da empresa. Os melhores líderes examinam o contexto para identificar tendências e, assim, direcionam suas ações no sentido da onda de mudanças. Ao antecipar as curvas de mudança, consegue liderar seu time com coesão e sintonia.
  • Desenvolver processos e plataformas ágeis é outro diferencial. CIOs devem estar preparados para não apenas reagir, mas para sair na frente. 
  • É altamente valioso mostrar-se adaptável, dado o cenário de constante mudança. Equilíbrio entre planejamento e estratégias claras, de um lado, e capacidade de se adequar às demandas, de outro.
  • Também é importante para os CIOs investir com inteligência na tecnologia e construir relacionamentos sólidos. Quanto mais sintonizado está com os demais do C level, melhores os resultados e maior a capacidade de responder ao mercado. 

Rowsell-Jones dá ainda a tônica para o ano que está prestes a começar. Segundo ele, as empresas precisam estar preparadas para a eventualidade de crises, inflexões e disrupções: “O sucesso em 2020 significa aumentar a preparação da organização de TI e da empresa para suportar a interrupção iminente dos negócios, planejando-o com antecedência.”

2019 chega ao fim e Data Science segue em alta

12/12/2019 Posted by Data Science, Negócios, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “2019 chega ao fim e Data Science segue em alta”

Dados, Inteligência Artificial e Machine Learning dominaram o ano.

A última década marcou avanços extraordinários na tecnologia, abrindo caminhos para um novo ciclo que promete ser ainda mais disruptivo. Às portas dos anos 2020, a Ciência de Dados, a Inteligência Artificial (IA) e outros segmentos afins consolidaram sua posição de destaque e seguirão na pauta.

O relatório anual “Data Science and Machine Learning Market Study”, da Dresner Advisory Services, trouxe uma série de insights e informações sobre esse contexto. A começar pelo fato de que iniciativas relacionadas a Data Science e Machine Learning (ML), tais como análises preditivas, algoritmos avançados e mineração de dados, apareceram no oitavo lugar entre 37 tecnologias e práticas consideradas como prioritárias por empresas que adotaram IA e ML em 2019.

Os departamentos de marketing e vendas são os que demonstraram valorizar mais a ciência de dados como instrumento para ajudar a alcançar suas metas e resultados. Quatro em cada dez equipes afirmaram que os dados são essenciais para o sucesso de seus setores. Na sequência, apareceram os segmentos de Business Intelligence Competency Centers (BICC), Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e Gerência de Público.

O alto nível de interesse compartilhado por esses departamentos reflete esforços para definir novos modelos de receitas e melhorar a experiência dos usuários usando dados,  IA e ML. Um terço das empresas entrevistadas adotou alguma ferramenta do tipo, a maioria delas utilizando até 25 modelos diversos.

Entre os setores que mais acreditam no potencial de dados, ML e IA para seu sucesso no mercado estão os serviços financeiros e de seguros, assistência médica, atacado e varejo.

Outro dado interessante e que mostra o poder dessas tecnologias no mundo corporativo atual apontou que 70% dos departamentos de P&D têm maior probabilidade de adotar Data Science, ML e AI. Para o time da Dresner, isso é um indicativo de que o desenvolvimento dessas ferramentas deve aumentar ainda mais nos próximos anos.

Além do mais, 2019 foi o ano recorde em matéria de interesse das empresas nesse tipo de recurso. O levantamento, que começou a ser feito em 2014, vem mostrando ano após ano o crescimento desse interesse. “Desde então, expandimos nossa cobertura para refletir mudanças de opinião e adoção e adicionamos novos critérios, incluindo uma seção que abrange redes neurais”, comenta Howard Dresner, fundador e diretor de pesquisa da Dresner.

Ensinando solidariedade às máquinas

03/12/2019 Posted by Data Science, Pessoas, Tendências 0 thoughts on “Ensinando solidariedade às máquinas”

No Dia de Doar, refletimos sobre o espaço da solidariedade em tempos de Inteligência Artificial.

Todo dia é dia de doar, mas hoje, a primeira terça-feira depois do Dia de Ação de Graças (o Thanksgiving Day tão celebrado pelos americanos), comemora-se em diversos países o Dia de Doar (Giving Tuesday, lá fora). O movimento mundial teve início em 2012 e vem crescendo desde então. Desapegar e ajudar o próximo é um ato essencialmente orgânico. Não apenas humanos, mas diversas espécies colaboram de alguma forma entre si, garantindo abrigo, alimento e afeto a membros mais fracos da comunidade. Nos perguntamos: é possível ensinar solidariedade às máquinas?

A resposta é sim. Mais do que isso, a solidariedade deve ser um princípio ético central na Inteligência Artificial, defende Miguel Luengo-Oroz, Chief Data Scientist da Global Pulse, uma iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU) com foco no acompanhamento de inovações tecnológicas e de comunicação. Em artigo recentemente publicado na prestigiosa revista Nature, Luengo-Oroz chama a atenção para a necessidade de um compromisso com o tema, uma vez que os riscos envolvidos são elevados, e mesmo sistema confiáveis podem ser usados para:

  • Prever o aparecimento de um câncer letal em pessoas que, sem saber, terão seu acesso negado a seguros e planos de saúde;
  • Automatizar tarefas e funções diversas, aumentando a produtividade, mas deixando milhares (ou milhões) de humanos sem trabalho;
  • Antever nossas decisões e cruzar a tênue linha que separa a sugestão da manipulação.

O pesquisador destaca que tecnologias poderosas exigem compromissos e não por acaso a energia nuclear permanece disponível somente com um tratado de não-proliferação de armas nucleares em vigor, assim como existem barreiras legais e fiscalização mundial sobre as pesquisas para manipulação genética.

Diversos países organizam-se para incluir guidelines de inclusão, como a Declaração de Montreal para uma IA responsável, de 2017. O texto propõe que o desenvolvimento de inteligências autônomas deve ser compatível com a manutenção dos laços de solidariedade entre as pessoas. Gostou? Declare seu apoio aqui:

Como um princípio, a solidariedade aplicada à Inteligência Artificial prevê:

1) O compartilhamento da prosperidade criada pela IA, com a implementação de mecanismos para redistribuir o aumento da produtividade entre todos, assim como também distribuir o trabalho, garantindo que a desigualdade não aumente.

 2) A reflexão sobre o impacto das aplicações no longo prazo, evitando a irrelevância de vastos grupos humanos. As consequências devem ser pensadas antes da execução dos sistemas. Repetindo as palavras do escritor Yuval Noah Harari, a Inteligência Artificial pode nos tornar irrelevantes. Os ganhos de produtividade e a capacidade de modelar, replicar e automatizar nossas ações podem criar uma geração de inúteis, como já falamos neste blog.

O maior desafio, no longo prazo, é descobrir como redistribuir o aumento da produtividade de forma a evitar a irrelevância. Não é a tecnologia baseada no homem, mas sim na humanidade, adverte Luengo-Oroz.