A Inteligência Artificial pode encontrar a cura do coronavirus?

28/02/2020 Posted by Data Science, Pessoas, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “A Inteligência Artificial pode encontrar a cura do coronavirus?”

Iniciativas baseadas em machine learning e open data buscam combater o vírus.

Com a atenção mundial voltada para a disseminação do coronavirus, a comunidade científica busca todo tipo de suporte para combatê-lo. É a hora para novas tecnologias provarem seu valor em campo, mas os esforços recentes mostraram apenas seus limites e algumas possibilidades.

O resultado de maior repercussão foi a ferramenta de inteligência artificial que primeiro disparou o alerta, muito antes das autoridades de saúde. Falamos dele aqui, mostrando como ainda em 31 de dezembro do ano passado o sistema da healthtech canadense BlueDot enviou a seus clientes um alerta de possível doença em regiões onde o coronavírus se manifestou. E mais. Ainda foi capaz de antever alguns dos primeiros destinos para os quais a enfermidade foi “exportada”: Seul, Taipei, Tóquio e Bangkok.

Entretanto, vale dizer que o alerta não foi capaz de identificar com clareza o grau de risco da doença e que, apenas algumas horas antes, de forma independente, um grupo de monitoramento, formado por médicos e pesquisadores voluntários, já preparava um alerta.

O BlueDot é uma ferramenta de machine learning, e, como todo sistema do tipo, depende do volume e da qualidade de dados disponíveis. Esse é um limite para as ações atuais. Epidemias como a do Covid-19 disseminam-se de forma rápida e dispersa em grandes áreas, dificultando a coleta e a interpretação de dados.

A identificação do surto é crucial, mas as novas tecnologias atuam em outras formas de combate. A principal delas, é claro, é a busca por algum tipo de cura. Há diferentes estratégias em curso. A Insilico Medicine, em Hong Kong, é uma empresa focada no uso de ferramentas de Inteligência Artificial e Deep Learning para a descoberta de tratamentos para doenças diversas. Eles compartilharam com a comunidade científica, recentemente, as estruturas de seis moléculas com capacidade teórica para atacar uma proteína específica do coronavirus.

A Inteligência Artificial foi usada no processo de geração, síntese e teste das estruturas moleculares e mais de 100 foram desenvolvidas e submetidas ao programa, restando as seis mais promissoras. “Nós encorajamos a comunidade científica a avaliar as moléculas e considerar a possibilidade de sintetizá-las para teste”, disse o CEO da Insilico, Alex Zhavoronkov.

Importante ressaltar que a sequência de DNA do vírus já foi identificada e tornada pública (no GenBank) pela Fudan University, de Shangai. Um pedacinho dele:

 

23041 gttactttcc tttacaatca tatggtttcc aacccactaa tggtgttggt taccaaccat

23101 acagagtagt agtactttct tttgaacttc tacatgcacc agcaactgtt tgtggaccta

23161 aaaagtctac taatttggtt aaaaacaaat gtgtcaattt caacttcaat ggtttaacag

23221 gcacaggtgt tcttactgag tctaacaaaa agtttctgcc tttccaacaa tttggcagag

23281 acattgctga cactactgat gctgtccgtg atccacagac acttgagatt cttgacatta

23341 caccatgttc ttttggtggt gtcagtgtta taacaccagg aacaaatact tctaaccagg

23401 ttgctgttct ttatcaggat gttaactgca cagaagtccc tgttgctatt catgcagatc

23461 aacttactcc tacttggcgt gtttattcta caggttctaa tgtttttcaa acacgtgcag

23521 gctgtttaat aggggctgaa catgtcaaca actcatatga gtgtgacata cccattggtg

 

Outras iniciativas estão em andamento ao redor do mundo, como o desenvolvimento da vacina pela Sanofi Pasteur, em parceria com a U.S. Biomedical Advanced Research Authority (Barda). Falaremos sobre elas aqui, em breve.

____

Crédito da imagem: Pixabay

 

Tags: ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *