Uma breve história da (computação em) nuvem

28 de agosto de 2019 Posted by Data Science, Negócios, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “Uma breve história da (computação em) nuvem”

O conceito de cloud computing nasceu em 1960, conheça as origens desse mercado que movimenta bilhões.

O mercado de Cloud Computing está em alta. Em 2018, movimentou 200 bilhões de dólares, e há expectativas de que alcance a casa dos 300 bilhões em 2022, de acordo com a IDC – International Data Corporation. No dia a dia, os usuários encontram nesses serviços a facilidade de ampliar o armazenamento de seu smartphone, compartilhar arquivos com outras pessoas, mas a nuvem não se resume a isso. Quando uma empresa adere a esse serviço, ela pode desfrutar de maior produtividade, escalabilidade e segurança, elevando seu rendimento em diversos âmbitos.

A nuvem se tornou uma ferramenta acessível para qualquer um que possua um smartphone ou computador, mas apesar de parecer uma tecnologia recente, já se discutia sobre ela há muitas décadas. Os primeiros registros do que seria a base da nuvem nasceram com o americano John McCarthy, que em 1960, nove anos antes da criação da internet, já sugeria o conceito de computer utility, uma computação compartilhada simultaneamente entre dois ou mais usuários, onde você paga apenas pelo que usa. Suas palavras, em 1961, foram proféticas:

A computação poderá ser usufruída de forma pública, como hoje usamos a telefonia. Cada usuário pagará somente pelo que usar, mas com acesso às ferramentas de um sistema completo. Esta capacidade da comutação poderá ser a base de uma nova e importante indústria.

Outro nome importante para a criação e popularização da Cloud Computing é o físico Joseph Carl, que permitiu o compartilhamento de dados e a comunicação em escala global com a ARPANET, predecessora da internet. Joseph Carl é hoje considerado um dos pais esquecidos da internet.

Nos anos 1990, já com a World Wide Web, houve uma série de avanços nos sistemas de telecomunicação, como o aumento da banda larga, fácil acesso a computadores e a proliferação de internet de alta velocidade, abrindo portas para o futuro na nuvem. Assim, em 1997, foi usado pela primeira vez o termo Cloud Computing, em uma palestra ministrada pelo professor de Sistemas de Informação Ramnath Chellappa. A terminologia nasceu do símbolo da internet, algo que está “no ar”. Em 1999, a empresa Salesforce foi a primeira a disponibilizar aplicações empresariais pela web, mas foi somente em meados dos anos 2000 que tivemos o mais importante passo para popularização desse mercado no meio empresarial.

O ponto de inflexão na tecnologia é o ano de 2006, quando lançada a primeira versão da EC2, ou Elastic Compute Cloud, desenvolvida pela Amazon Web Services. É a origem do que hoje chamamos de Infrastructure-as-a-Service (IaaS). Ao permitir o acesso remoto ao processamento, na prática “alugando” computadores às empresas, a Amazon ofereceu uma nova visão sobre o sistema. O serviço permitia às empresas eliminar a necessidade de um investimento inicial em hardware, facilitando o desenvolvimento e implantação de serviços e aplicativos com mais rapidez e menos investimento em hardware.

De 2006 para cá aconteceram muitas outras mudanças, avanços e novidades na computação em nuvem. Sobre algumas, já falamos aqui, destacando o potencial, por exemplo, da Data Analytics as a Service. De acordo com a ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software, somente no Brasil, de 2015 a 2017, foi registrado um aumento de 86,92% no faturamento desse segmento.  A nuvem apresenta uma série de soluções empresariais, que podem se aplicar a qualquer tipo de negócio. É necessário, entretanto, avaliar cada caso, uma vez que há riscos em relação a segurança das plataformas e à capacidade de atendimento das redes, especialmente em determinadas áreas e países.

Tags: , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O blog de ideias da GoToData

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn