Posts tagged "Transformação digital"

O líder e a transformação digital

7 de agosto de 2019 Posted by Data Science, Negócios, Tecnologia 0 thoughts on “O líder e a transformação digital”

Gestores em tecnologia precisam estar antenados e ter visão sistêmica para liderar processo.

O século 21 consolidou a presença da internet e das novas tecnologias no cotidiano, resultando em uma das mudanças mais importantes de todos os tempos. Esses artifícios levaram a sociedade a mudar diversos hábitos e se acostumar a um ritmo completamente novo, o que não afetou somente a vida pessoal dos indivíduos e a forma com que eles se relacionam, mas também as empresas que se consolidaram antes da internet. Enquanto algumas delas se mantiveram resistentes a mudanças e acabaram se tornando obsoletas, como já dissemos aqui, outras empresas optaram pela Transformação Digital, utilizando a tecnologia a seu favor para ganhar mercado.

Resumidamente, a transformação digital é o uso da tecnologia para obter resultados para um negócio. Quando implementada, pode (e deve) ser aplicada em todas as áreas da empresa, trabalhando para integrar desde a cúpula estratégica até a base operacional, facilitando todos os processos. Também não há nenhuma restrição quanto ao tipo de empresa que pode se beneficiar por essa transformação, mesmo que não atue no segmento de tecnologia. Hoje, esse é um caminho sem alternativa equivalente. A transformação é imprescindível.

Normalmente o responsável pela implementação do processo de transformação digital em uma empresa é o CIO (Chief Information Officer), mas a aplicação dessas mudanças não deve se limitar a essa figura. É extremamente importante que haja uma aproximação dos gestores da empresa com o condutor do processo, para que a tecnologia funcione de forma coesa e orgânica no contexto organizacional.

Para que essas mudanças sejam aplicadas de forma eficiente, o CIO deve se manter atento a uma série de fatores, se atualizando constantemente e buscando informações sobre novas tecnologias disponíveis. O CIO também deve assumir a função de estrategista de negócios e se mostrar apto em habilidades analíticas, inteligência de negócios, machine learning e conhecimento em IA. As tecnologias low-code e no-code podem ser muito úteis, pois permitem a programação sem um conhecimento aprofundado em códigos, e é extremamente importante que o gestor entenda sobre as principais plataformas de nuvem do mercado, que devem integrar todo o sistema vigente na empresa.

Ao se aprimorar e buscar conhecer mais do processo de transformação digital, um CIO consegue nortear toda uma mudança estratégica e operacional dentro da empresa. As mudanças, se bem implementadas, podem ser significativas, tanto para o ambiente interno da empresa quanto em relação a experiência final de um cliente com a empresa.

Tecnologia e dados aceleram inovação digital

23 de maio de 2019 Posted by Sem categoria 0 thoughts on “Tecnologia e dados aceleram inovação digital”

Qualirede investe em programa de transformação digital orientado pela GoToData.

Equipe da Qualirede durante atividade do programa de transformação digital

O investimento em soluções de negócio baseadas em análise de dados é estratégico para a sobrevivência e evolução das organizações no curto prazo. É um momento de decisão no processo de transformação digital, com crescente aporte em tecnologias de nova geração, aponta pesquisa com mais de 3.000 executivos de 89 países. No Brasil, despontam iniciativas como a do Grupo Qualirede, reconhecido pela expertise na área de gestão em saúde e com atuação nacional. A empresa investiu no programa de aceleração da inovação digital da GoToData, em desenvolvimento desde o final de 2018.

O programa tem como objetivo apoiar a Qualirede no processo de transformação digital. “Nosso foco é a aceleração da inovação por meio do desenvolvimento de soluções de negócios intensivas em tecnologia e na análise de dados”, explica a CEO e founder da GoToData, Paula Oliveira.

São cinco ciclos: Transformação digital; Jornada digital ponta-a-ponta para o cliente; Relacionamento digital com a rede prestadora; Novos modelos de negócio para novos mercados; Produto empresarial. Participam de cada ciclo um média de 55 colaboradores, de todo o Brasil, em encontros presenciais e a distância.

A cada encontro, além do aporte de conhecimento, os participantes trabalham com o grid de soluções, no qual produtos e serviços digitais já em uso são analisados. As equipes buscam registrar e identificar o papel da tecnologia e da modelagem de dados nestes processos, como o modelo dinâmico de precificação do Uber, entre outros.

Esta metodologia também será aplicada nos ciclos da rede prestadora e em novos modelos de negócios. O percurso do design thinking à ideação é o foco deste primeiro momento, preparando a empresa para o investimento em prototipagem, desenvolvimento de MVPs (Minimum Viable Product) e escalonamento via growth marketing.

Em curso ao longo de 2019, o programa é uma das ofertas da GoToData, startup com foco em transformação digital por meio de soluções personalizadas, de alto impacto, sustentadas pelo uso intensivo de dados.

2018: o ano da transformação digital (por enquanto)

20 de dezembro de 2018 Posted by Data Science, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “2018: o ano da transformação digital (por enquanto)”

Big Data, Inteligência Artificial e Machine Learning permanecem em alta.

O ano de 2018 marcou um novo patamar no desenvolvimento das tecnologias e da ciência de dados, em se tratando de Big Data, Inteligência Artificial (IA), Machine Learning e outras vertentes. Com funcionalidades mais eficientes e, consequentemente, mais difundidas mundo afora, podemos dizer que este foi – ao menos até que 2019 termine e assuma o posto – o ano da “transformação digital”. Várias das mais tradicionais companhias seguiram neste caminho, sejam elas desenvolvedoras de soluções do gênero, sejam meras usuárias.

Em IA, alguns avanços vieram a olhos vistos, literalmente. Para citar um exemplo, houve grandes melhorias nas Generative Adversarial Networks, redes neurais capazes de gerar, por meio de algoritmos, fotografias com algum nível de verossimilhança. Nos testes os observadores ainda conseguem com certa facilidade distinguir fotos verdadeiras das resultantes do processo artificial, mas a melhoria nos resultados é perceptível.

Sistemas de Machine Learning baseados nos princípios computacionais de nosso cérebro, tais como o Recursive Cortical Networks, seguem sendo aprimorados. O software desenvolvido pela empresa norte-americana Vicarious busca interpretar fotos, vídeos e outros dados visuais de forma semelhante a como fazemos nós, humanos. Um de seus principais desafios é alcançar altos níveis de assertividade em testes CAPTCHA – de leitura de caracteres distorcidos, em qualquer contexto.

Mas tamanho avanço na área de IA, sobretudo a partir do desenvolvimento de Deep Learning nos últimos anos, curiosamente faz com que muitos especialistas compartilhem um sentimento de “e agora?”. A base disso está no questionamento, feito por parte de alguns, dos fundamentos e das abordagens desse ramo da ciência. O receio nem é tanto pela ameaça de dominação do mundo pelas máquinas: é que a exagerada hype que o campo vive possa culminar em desapontamento e descrédito. A defesa é que o desenvolvimento continue, mas com aplicações práticas concretas e benéficas para a sociedade.

A reboque da adesão de mais e mais pessoas e organizações à tecnologia, aumentou também o conhecimento por parte do público das possíveis armadilhas que uma vida ultraconectada esconde. Mais pessoas estão cientes dos riscos que a massiva coleta e tráfego de dados pessoais pode oferecer. Casos com ampla repercussão como o da Equifax e da Cambridge Analytica colocaram uma pulga atrás da orelha de muita gente, e seus desdobramentos não param. Notícia recente aponta que o Facebook além de ter colaborado com a consultoria política que ajudou a eleger Donald Trump, também forneceu informações privadas de seus usuários para serviços como a Netflix e o Spotify.

A rede social de Mark Zuckerberg e a Google são detentoras dos dados coletados por suas ferramentas – pelos termos aos quais seus usuários aderem. A disponibilidade dessa matéria prima as coloca em posição privilegiada para identificar perfis, detectar tendências e identificar oportunidades, bem como para desenvolver IA e outras soluções.

Uma tendência que aparece como possibilidade para aumentar a segurança e mesmo permitir que outros players desenvolvam IA é a tecnologia Blockchain. O sistema promete altos níveis de confiabilidade, dando aos usuários mais tranquilidade em fornecer seus dados, que seriam processados de forma completamente anônima e irrastreável. Iniciativas nessa direção cresceram este ano, mas as dúvidas relativas à regulamentação das criptomoedas (intrínsecas ao blockchain) colocaram a tecnologia em modo de espera.

A capilarização da tecnologia nos âmbitos pessoais e profissionais amplia as funcionalidades oferecidas, mas sob o risco de abusos e crimes. Esta percepção das responsabilidades e riscos atrelados aos novos poderes oferecidos pelas tecnologias foi também crescente ao longo do ano e, assim como a transformação digital, promete crescer ainda mais em 2019. 

O blog de ideias da GoToData

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn