Posts in Pessoas

Inteligência artificial ameaça criar geração de inúteis

8 de novembro de 2019 Posted by Data Science, Pessoas, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “Inteligência artificial ameaça criar geração de inúteis”

Em palestras pelo Brasil, autor de Sapiens defende acordo global contra uso lesivo da tecnologia.

O  professor e escritor israelense Yuval Harari tornou-se conhecido no mundo inteiro com o sucesso do livro “Sapiens: uma breve história da humanidade”, traduzido em mais de 40 idiomas e com milhões de cópias vendidas. Com outros dois best sellers lançados desde então, o historiador ocupou notícias e conteúdos online nos últimos dias em função de sua primeira visita ao Brasil, onde participa de alguns eventos. 

Harari resume em três vertentes os problemas que a humanidade vai enfrentar no século 21: as mudanças climáticas, os avanços da biotecnologia/bioengenharia e a ascensão da inteligência artificial. O desenvolvimento das tecnologias e seu impacto na sociedade contemporânea é assunto central e recorrente tanto em seus escritos quanto nas conferências que têm proferido. 

Uma das preocupações que ele destaca é um assunto no qual já tocamos aqui: o fato de que a tecnologia provoca mudanças constantes e significativas no mercado de trabalho e possivelmente criará uma massa de pessoas sem utilidade, do ponto de vista econômico e financeiro. “Se a maior luta do século 20 foi contra a exploração, a maior luta do século 21 será contra a irrelevância. Por isso os governos têm que proteger as pessoas”, afirmou em uma palestra no encerramento da 5ª Semana de Inovação, realIzada pela Escola de Administração Pública (Enap), em Brasília. Ele completa, em outro tema abordado aqui pelo blog: 

“O risco é que a revolução da inteligência artificial resulte em algo como a revolução industrial do século XIX: desigualdade extrema entre alguns países que dominam a economia global e outros que colapsam completamente, porque seu principal ativo de mão de obra manual barata se torna irrelevante”

O valor dos dados e sua importância estratégica é outra questão chave para o escritor. A combinação de avanços no domínio da biologia humana com o poder tecnológico digital pode resultar num “hackeamento” dos indivíduos. “É possível criar algoritmos que nos conhecem melhor que nós, que podem nos hackear e manipular nossos sentimentos e nossos desejos. E eles não precisam ser perfeitos, apenas nos conhecer melhor. E isso não é difícil porque muitos de nós não se conhecem muito bem”. 

Em entrevista ao El País em 2018, traçou um interessante paralelo entre algumas forças capazes de controlar as pessoas ao longo do século 20, tais como os partidos fascistas dos anos 1930, a KGB e os grandes conglomerados atuais. As organizações no século passado conseguiam estabelecer altos níveis de controle, mas não tinham tecnologia para seguir e manipular cada indivíduo pessoalmente. Hoje isso já é possível (e acontece). “Já estamos vendo como a propaganda é desenhada de forma individual, porque há informação suficiente sobre cada um de nós. Se você quer criar muita tensão dentro de um país em relação à imigração, coloque uns tantos hackers e trolls para difundir notícias falsas personalizadas. Para a pessoa partidária de endurecer as políticas de imigração você manda uma notícia sobre refugiados que estupram mulheres. E ela aceita porque tem tendência a acreditar nessas coisas. Para a vizinha dela, que acha que os grupos anti-imigrantes são fascistas, envia-se uma história sobre brancos espancando refugiados, e ela se inclinará a acreditar. Assim, quando se encontrarem na porta de casa, estarão tão irritados que não vão conseguir estabelecer uma conversa tranquila. Isso aconteceu nas eleições dos Estados Unidos de 2016 e na campanha do Brexit.”

A aposta do escritor para a condução desses grandes desafios da humanidade está no diálogo e na cooperação. Não há, segundo ele, oposição entre as ideias de nacionalismo e globalização. Os estados podem e devem garantir sua soberania e liberdade, mas devem se unir para evitar que as grandes corporações se apoderem e façam mau uso dos dados, o bem mais valioso do século 21. “Precisamos de um acordo global. E isso é possível. Não construindo muros, como está na moda, mas construindo confiança. No entanto, estamos na direção oposta neste momento.”

#AprendinoEnem: Inteligência Artificial e Big Data caem na prova

5 de novembro de 2019 Posted by Pessoas, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “#AprendinoEnem: Inteligência Artificial e Big Data caem na prova”

Tecnologias da Informação e Comunicação foram presença constante nas questões do primeiro dia do Exame.

Quase 4 milhões de pessoas participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) neste final de semana. As provas são o principal meio de acesso ao ensino superior e uma boa nota é a garantia de vaga nos cursos mais disputados em universidades públicas (e muitas privadas). O conteúdo é vasto, mas o candidato desta última edição aprendeu que vale a pena estar sintonizado com as novas Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) e seu impacto na sociedade.

Das 45 questões da prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, 20% estavam relacionadas de forma direta às TICs. Foram nove questões para quem selecionou o inglês como língua estrangeira e 10 para os optantes pelo espanhol.

Temas muito atuais estiveram presentes na prova, como a Inteligência Artificial. A questão abordava a experiência realizada no Japão com um sistema incumbido de escrever um conto. A resposta correta exigia do candidato o entendimento da diferença entre a estrutura e a criatividade da linguagem humana.

Big Data e análise de dados também marcaram presença na prova, em questão abordando o projeto Data Viva, uma plataforma aberta de visualização de dados sociais e econômicos do Brasil. Para acertar, o candidato deveria entender que a análise de grandes volumes de dados é capaz de oferecer informações estratégicas à sociedade.

A questão mais divertida, e que viralizou após o exame, apresentava uma lista de tipos on-line, classificados por seu perfil de postagem, como o “Turista em tempo integral” (que posta o ano inteiro fotos das férias), a “Mãe orgulhosa demais” (que faz questão de contar todas as gracinhas, até as que só tem graça para ela própria) e o “Baladeiro Vida Louca” (com seu feed de imagens de festas e bebidas). A resposta correta informava que as redes sociais estimulam a exposição exagerada dos indivíduos.

Outras questões abordaram as características da geração que não se lembra como era o mundo antes da internet, a disponibilização de imagens para compartilhamento com licenciamento Creative Commons, o que é software livre e sua contribuição para a sociedade e a exposição de imagens de crianças na rede. Além de um texto que citava um boicote à cantina da escola via twitter, promovida por alunos indignados com o preço do pão de queijo.

Fica a dica para as próximas edição do Enem: Leia o Why!

Quando um robô não quer, dois não brigam?

1 de novembro de 2019 Posted by Pessoas, Tecnologia 0 thoughts on “Quando um robô não quer, dois não brigam?”

Estudo explora a confiabilidade de agentes de inteligência artificial na mediação de conflitos em equipes de trabalho.

 

Já estamos nos acostumando a “ouvir” algumas ferramentas digitais, hoje amplamente usadas. Siri e Alexa são alguns exemplos difundidos de assistentes virtuais, Google Maps e Waze nos apontam distâncias e caminhos, isso para citar apenas alguns exemplos. Mas será que confiaríamos em instrumentos dotados de inteligência artificial para mediar conflitos? 

Essa pergunta motivou um estudo que envolveu pesquisadores das Universidades do Sul da Califórnia (USC) e de Denver. Os pesquisadores criaram um avatar de agente virtual que interagia com uma equipe de três pessoas e estava programado para provocar falhas e gerar conflitos. O objetivo era avaliar se esse agente tinha potencial de atuar melhorando a colaboração e mediando a situação.

Em uma pesquisa anterior, o mesmo grupo detectou que as pessoas tinham mais liberdade para fazer confissões a um terapeuta virtual. Na experiência agora apresentada, a conclusão foi distinta. Os envolvidos tiveram menos propensão a se envolver com Chris, o agente virtual, quando os conflitos surgiam. 

As 27 situações de teste foram realizadas em uma academia militar. Em nenhuma das ocorrências o agente foi ignorado ou menosprezado. Os membros da equipe interagiam com ele normalmente, ouvindo, sendo simpáticos e agradecendo por suas contribuições. Contudo, quando se iniciava o contexto conflituoso, o envolvimento dos humanos com a máquina diminuía consideravelmente. 

Isso indica que os agentes virtuais ainda não gozam de tanta credibilidade para mediar conflitos, mas as perspectivas são boas. Comentários dos participantes indicaram a percepção de que essas ferramentas são neutras e imparciais. “Nossos resultados mostram que agentes virtuais e robôs potencialmente sociais podem ser bons mediadores de conflitos em todos os tipos de equipes. Será muito interessante descobrir as intervenções e respostas sociais para finalmente integrar perfeitamente agentes virtuais em equipes humanas para que eles tenham melhor desempenho”, comenta Kerstin Haring, professor assistente de ciência da computação na Universidade de Denver, autor principal do estudo. 

Os cientistas pretendem reproduzir essa investigação em outros ambientes profissionais.

O algoritmo que adora Adam Sandler

18 de outubro de 2019 Posted by Pessoas, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “O algoritmo que adora Adam Sandler”

Sistema de Inteligência Artificial é usado na seleção de filmes da Sessão da Tarde.

 

A Rede Globo confirmou que um algoritmo é o culpado pelos filmes repetidos na Sessão da Tarde. O programa televisivo vai ao ar desde 1974 e permanece uma das principais atrações da emissora. É uma referência para a geração pré-streaming. Dos festivais com os Trapalhões aos clássicos Lagoa Azul e Curtindo a Vida Adoidado, não há quem não tenha sido feliz, deitado em um sofá, numa tarde chuvosa dos anos 80 (ou 90 ou 2000).

E, tão tradicional quanto o chocolate quente para acompanhar, é a lendária repetição dos títulos. A novidade é que agora a programação é feita por algoritmos e, sim, é verdade, eles são programados para repetir filmes. Os resultados são elogiados pelo diretor de programação da Globo, Amauri Soares:

“Nós criamos um algoritmo para ajudar na programação de filmes da Sessão Tarde. Nós tagueamos todos os filmes no acervo, com as características de cada um. O algoritmo entrega para o programador uma lista de filmes com os atributos que a gente quer. O algoritmo oferece o dobro de opções que o programador sozinho conseguiria levantar.”

E do que gosta o algoritmo? Gosta de histórias de superação e comédias (besteirol ou romântica), como demonstra a lista recente com os 10 campeões de audiência. E adora o Adam Sandler. Somente em 2019 o ator já teve cinco filmes exibidos, dois deles repetidos. É o campeão na escalação, seguido de longe por Sandra Bullock, Queen Latifah e Matthew McConaughey.

A Globo não é a primeira a testar um sistema como este. Algoritmos de recomendação de filmes (e músicas, shows, livros etc) são a base de plataformas como a Netflix, Amazon, Youtube e outras. Nestes modelos, o volume de dados para análise é extraordinário e crescente. Os resultados, no entanto, nem sempre superam a boa e bem-sucedida estratégia de apostar sempre no Adam Sandler.

A Netflix testa, há alguns meses, um novo sistema de recomendação, em uma tentativa de superar as críticas ao seu (irritante) algoritmo atual. O novo modelo, adivinhem, retorna à boa e velha curadoria humana. Em alguns aparelhos com iOS, as novas “coleções” passam por uma seleção prévia feita por pessoas, para então serem agrupadas pelos algoritmos. Um novo round nesta batalha de ferramentas de inteligência artificial pela identificação dos nossos gostos.

Você compartilharia seu prontuário médico?

30 de setembro de 2019 Posted by Negócios, Pessoas, Tendências 0 thoughts on “Você compartilharia seu prontuário médico?”

Médicos e pacientes beneficiariam-se com o acesso ao histórico de dados, mas segurança e privacidade são desafios.

Computador já é uma tecnologia madura, a internet está aí há mais de 30 anos e, nessas tantas décadas, quantas vezes você já foi ao médico, fez exames e teve remédios prescritos? Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar, somente em 2018 os beneficiários de planos de saúde realizaram 1,57 bilhão de procedimentos como internações, consultas e exames. Some a este número o atendimento pelo SUS e pela rede particular e o resultado é um universo de informações médicas crescente a cada ano. A pergunta, entretanto, é: você tem acesso a seu prontuário médico antigo e recente?

A resposta é negativa na maioria das vezes. Pessoas capazes de construir uma relação de longo prazo com profissionais da área médica tendem a ter acesso a um prontuário extenso. Entretanto, é feito de muitas lacunas o prontuário de um cidadão às voltas com diversos médicos, migrando (ou compartilhando) ao longo dos anos serviços da rede de saúde pública, suplementar e particular. Quais remédios foram prescritos no passado? Quantas consultas feitas por especialidade? Qual os índices de colesterol há 15 anos?

A falta de acesso ao histórico médico é causa de problemas para pacientes e profissionais da saúde. Para os pacientes, ele permite acompanhar o registro de indicadores (glicemia, colesterol, para citar alguns básicos), remédios e doenças. Para os médicos, em uma emergência, pode ser a diferença entre a vida e a morte.

Propostas de implantação de históricos médicos eletrônicos estão em diferentes fases de estudo ou implantação em diversos países. No Brasil, o prontuário eletrônico do SUS é obrigatório desde 2017 nas unidades básicas de saúde. Sua real implantação, entretanto, é limitada e enfrenta uma série de desafios.

Um dos mais conhecidos sistemas é o de Singapura. O SingHealth reúne a principal rede de atendimento do país e, desde 2013, coleta, consolida e disponibiliza as informações de pacientes atendidos. A adesão dos médicos de clínicas particulares, entretanto, foi muito baixa e, em 2018, o governo anunciou que tornaria obrigatório o compartilhamento de informações. Um ciberataque ao sistema, no ano passado, obrigou o governo a rever a medida. Os dados particulares de 1,5 milhão de pacientes foram roubados, incluindo os do Primeiro-Ministro.

O caso de Singapura é emblemático por revelar dois dos principais desafios enfrentados por propostas similares: a privacidade e a segurança. Dados médicos são particularmente sensíveis e podem ser usados de forma cruel por empresas, governos e indivíduos mal-intencionados. Médicos têm restrições em compartilhar os dados de seus pacientes e os pacientes têm restrições em compartilhar seus dados com outros médicos ou pessoas.

A regulamentação para proteger os pacientes é extensa. Nos Estados Unidos, o Health Insurance Portability and Accountability Act (HIPAA) estabelece uma série de diretrizes, estabelecendo, entre outros, que o paciente tem o direito a:

· Saber e entender como seus dados são armazenados e utilizados pelo sistema de saúde.

· Determinar quem tem acesso ao seu prontuário médico.

· Garantia de segurança contra vazamentos e ataques.

· Garantia à integridade, para evitar adulterações ou manipulações de resultados.

Na União Europeia, a General Data Protection Regulation (GDPR), em vigor desde 2017, teve grande impacto na área de saúde, uma vez que o histórico médico pessoal é informação pessoal e sensível, protegida pela legislação. Todo o sistema de saúde foi obrigado a revisar seus procedimentos em relação à coleta e à guarda de informações de seus pacientes.

Isso vale para as gigantes da tecnologia também. E elas estão de olho em suas informações. Este ano foi publicada uma patente da Google que permite agregar e armazenar o histórico médico de milhões de pessoas, de forma sistematizada para a aplicação de técnicas de predição via Deep Learning. O registro foi assinado por 20 funcionários, entre eles toda a alta cúpula e os pesquisadores da área de inteligência artificial. O sistema permanece em segredo, gerando todo tipo de especulação.

Ensinando e aprendendo com dados

26 de setembro de 2019 Posted by Data Science, Negócios, Pessoas 0 thoughts on “Ensinando e aprendendo com dados”

A ciência de dados nas escolas pode trazer novas possibilidades para a educação.

São inúmeros os desafios da educação brasileira: estrutura física inadequada, professores despreparados, processos internos burocráticos, sistemas educacionais arcaicos, crianças e jovens desestimulados, entre outros. Ao mesmo tempo, não faltam informações sobre o sistema. A Educação há décadas coleta e armazena dados sobre si mesma. Ferramentas e técnicas da ciência de dados têm muito a contribuir para melhorar a capacidade das pessoas de pensar, resolver e aprender, oferecendo tecnologias capazes de encontrar soluções para esses problemas.

A educação é um domínio particularmente adequado para a Data Science. Os dados educacionais são extensos e abrangem: registros escolares do ensino fundamental e médio; arquivos digitais de matérias e anotações; respostas dos alunos a testes e provas, e caso seja adequado, ela também pode abordar a interação em sala de aula, através de gravações de vídeo e voz, seria possível captar como o gerenciamento e a instrução em sala de aula são feitos, além da resposta dos alunos.

O tema está em discussão no 2º Desafios de Dados, um evento nos moldes Datathon em que uma equipe se inscreve e busca soluções em Data Science para problemas específicos. Na edição de 2019 a pauta é Educação Pública no Brasil. A edição que deu origem ao evento tratou da questão da saúde, tema que abordamos em nosso último texto no blog

Muitas das equipes inscritas fazem parte de Edtechs, um acrônimo das palavras Education e Technology. São startups que se diferenciam das outras por duas características

O uso de alguma forma da tecnologia, que significa a aplicação sistemática de conhecimento científico para tarefas práticas.

A tecnologia como facilitadora de processos de aprendizagem e aprimoramento dos sistemas educacionais, gerando efetividade e eficácia.

Estas empresas desenvolvem soluções tecnológicas para a oferta de serviços relacionados à educação, como plataformas de ensino, cursos online, jogos educativos, sistemas de gestão de aprendizado, entre outros.

No Brasil, de acordo com um mapeamento do Centro de Inovação para a Educação Brasileira (CIEB), em parceria com a Associação Brasileira de Startups (Abstartup), 73% dos estados brasileiros têm ao menos 3 edtechs. São Paulo concentra 43% delas, seguido por Minas Gerais, com 11% e Rio de Janeiro com 10%.

As startups criam alternativas para tornar o ensino e a aprendizagem mais eficientes, fazendo os usuários aprenderem mais rapidamente, com maior retenção de conteúdo. Com o treinamento adequado, educadores poderiam realizar tarefas de visualização, redução, descrição e previsão de dados, para que possam entender os sistemas educacionais, seus problemas e possíveis soluções, além de desenvolver uma compreensão mais profunda e formas de soluções empiricamente estabelecidas.

Todas essas novas fontes de dados estão repletas de informações sobre comunicação, relações e perfis comportamentais.  Todas essas informações podem ser extraídas e analisadas para entender e resolver problemas educacionais persistentes.

A Data Science poderia trabalhar em cima de diversas questões como: atrito do aluno e evasão escolar; frequência do aluno; detenções; encaminhamentos; atrasos na aprendizagem; falha na progressão; preconceito; etc. Não podemos dizer que a internet afastou os mais jovens do conhecimento, porque nunca tivemos tanta facilidade de acesso e contato com informação.

Data Science salva vidas!

20 de setembro de 2019 Posted by Data Science, Pessoas, Tecnologia 0 thoughts on “Data Science salva vidas!”

A medicina está usando Inteligência Artificial e Machine Learning para aprimorar seus serviços.

A Inteligência Artificial e o Machine Learning possuem grande potencial transformador nos serviços de saúde. Os fabricantes de dispositivos médicos estão aproveitando a quantidade imensa de dados que são gerados todos os dias na área para desenvolver tecnologias e inovar seus produtos. Avanços na detecção precoce de doenças, diagnósticos mais precisos, identificação de novas observações ou padrões na fisiologia humana e desenvolvimento de diagnósticos personalizados estão no radar.

Os softwares destinados para fins médicos são os grandes alvos da IA e do Machine Learning. O Fórum Internacional de Reguladores de Dispositivos Médicos (IMDRF) define Software como Dispositivo Médico (SaDM) como todo aquele que executa finalidades médicas sem fazer parte de um hardware. A área já recebeu diversos avanços, mas os SaDM ainda podem se aprimorar conforme se evoluem as tecnologias de IA e ML, melhorando diretamente os cuidados de saúde dos pacientes.

Podemos citar alguns exemplos de SaDM baseadas em IA/ML, como o Software de Unidade de Terapia Intensiva, o Aplicativo Médico de Lesão de Pele e o Software de identificação de desvio de Tubos de Alimentação em Raios X. A seguir, vamos falar um pouco sobre eles.

O Software de Unidade de Terapia Intensiva com aplicação de IA/ML recebe eletrocardiograma, sangue, sinais de pressão e oximetria do pulso do paciente. Os sinais fisiológicos são processados e analisados para detectar padrões que ocorrem no início da instabilidade fisiológica. Se detectada, um sinal é gerado para indicação clínica imediata. Esse aplicativo conduz o gerenciamento clínico em uma situação crítica de saúde.

O Aplicativo Médico de Lesão de Pele com aplicação de IA/ML usa imagens tiradas pela câmera do smartphone do paciente para fornecer informações a um dermatologista sobre as características físicas de uma lesão cutânea. Isso permite que o médico rotule a lesão como benigna ou maligna. O aplicativo impulsionará o gerenciamento clínico em situações sérias de saúde.

O Software de identificação de desvio de Tubos de Alimentação em Raios X com aplicação de IA/ML analisa radiografias de tórax de pacientes internados após a colocação de um tubo de alimentação. Isso permite que o programa avalie quaisquer colocações incorretas e realize uma espécie de triagem, conduzindo o gerenciamento clínico em situações graves.

Esses são só alguns exemplos citados pela U.S. Food and Drug Administration (FDA), em um relatório que busca trazer uma discussão sobre a regulamentação e eventuais modificações a serem feitas em alguns destes softwares, no intuito de aumentar a precisão e melhorar a tecnologia atrelada ao sistema de saúde.

A Data Science está com um leque de aplicações cada vez mais amplo, e sua implementação pode ser extremamente benéfica, mudando drasticamente certos hábitos e costumes, além de melhorar a qualidade de vida, prospecção de negócios e impactando substancialmente áreas como a saúde. Quando bem explorada, ela pode fazer diferença e até salvar a vida de milhões de pessoas.

Perdi a vaga para um robô, que alívio!

13 de setembro de 2019 Posted by Pessoas, Tecnologia 0 thoughts on “Perdi a vaga para um robô, que alívio!”

Estudo confronta pessoas com a hipótese de serem substituídas por robôs ou por outros humanos. Quem será que elas preferem?

A relação entre humanos e robôs já não é mais fictícia há um tempo e, com isso, os dilemas que envolvem pessoas e máquinas não são mais apenas hipotéticos. Por exemplo, já tratamos aqui de uma pesquisa que confrontava os entrevistados com um dilema moral envolvendo a decisão de sacrificar um indivíduo para garantir a vida de um grupo, no qual muitos optaram por salvar um robô cheio de predicados positivos em detrimento de humanos anônimos. 

Quando a atuação das máquinas inteligentes impacta o mundo profissional, surgem outras tantas questões. Estimativas dizem que, até 2030, de 400 a 800 milhões de empregos devem ser substituídos pela automação. A partir desse cenário, especialistas se apressam em listar formas de se adaptar à transformação iminente do mercado sem ficar desempregado. 

Um novo estudo, publicado recentemente no Nature, trouxe mais informações sobre esse assunto e destacou como trata-se de uma situação cheia de dilemas e até mesmo contradições. 

Pesquisadores da Technical University of Munich confrontaram os entrevistados com perguntas sobre a substituição de postos de trabalho por outras pessoas ou por robôs, e os resultados foram interessantes. Deles, 62% afirmaram que preferiam que trabalhadores humanos fossem trocados por outros humanos, e não por máquinas, o que mostra um senso de proteção da própria espécie entre os humanos. 

Entretanto, quando a pergunta dizia respeito a eles próprios, os resultados foram diferentes. Só 37% manifestaram a preferência de serem substituídos por outras pessoas. Uma evidência, segundo os estudiosos, que os humanos se sentem menos ameaçados pelos robôs. Não que eles não reconheçam a superioridade das máquinas em muitas habilidades, muito pelo contrário, justamente por isso. 

A pesquisa revela que há um efeito psicológico apaziguador em acreditar que não há como competir com os robôs e algoritmos, programados exatamente para serem mais eficientes que nós, meros e imperfeitos mortais. É menos traumático pensar na perda do emprego para uma máquina que para um profissional mais competente.

Brasil tem quase 50 milhões de desconectados

6 de setembro de 2019 Posted by Pessoas, Tecnologia 0 thoughts on “Brasil tem quase 50 milhões de desconectados”

A quantidade de pessoas sem internet no Brasil supera a população de São Paulo.

Em um cotidiano onde o uso da internet é tão recorrente, é necessário fazer um certo esforço para enxergar que há uma parcela consideravelmente alta da população que não tem acesso a essa tecnologia. Enquanto 89% dos usuários de internet acessam a rede todos os dias (ou quase todos), existem aproximadamente 48 milhões de brasileiros que nunca se conectou, cerca de 23% da população total do Brasil.

Essas informações, assim como muitas outras, foram registradas no levantamento TIC Domicílios 2018. A pesquisa, realizada pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (CETIC), buscou estudar o cenário do acesso e uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) no Brasil, e apresentou dados socioeconômicos relevantes sobre o acesso a aparelhos e serviços.

O índice ainda é bastante expressivo, mas a população sem acesso à internet tem diminuído bastante. Em 2014, 39% da população brasileira estava offline. A inclusão digital em muito se deve ao acesso cada vez mais amplo aos smartphones e dos planos acessíveis de internet móvel, já que apenas 67% dos lares brasileiros possuem acesso à rede.

Os dados apresentados pela pesquisa denotam traços da realidade socioeconômica e cultural do país. Por trás do alto índice de pessoas sem acesso à internet existem outras questões como a faixa etária elevada de parte desse grupo e a dificuldade de lidar com a tecnologia, o baixo grau de instrução, o contingente que reside fora dos grandes centros urbanos, a baixa renda familiar e o pertencimento às classes sociais mais pobres. Esse contexto dificulta a utilização da rede por muitos brasileiros, o que acaba gerando ou agravando outros problemas, tais como as dificuldades na obtenção de emprego e a restrição de acesso a serviços públicos, conteúdo educacional, cultura e comunicação.

Enquanto o mercado tecnológico cresce em grandes proporções e se discute cada vez mais sobre esses avanços, o Brasil ainda tem um longo desafio de tentar integrar essa grande parcela da população. Se a tendência é caminharmos para um mundo cada vez mais digital e online, é necessário pensar políticas e estratégias para a integração dessas pessoas, na comunicação, no acesso a serviços, no mercado de trabalho e no consumo como um todo.

É verdade: Millennials lidam melhor que você com a tecnologia

3 de setembro de 2019 Posted by Pessoas, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “É verdade: Millennials lidam melhor que você com a tecnologia”

O uso do celular no trabalho pode não ser um problema para a nova geração.

A convivência nos leva a acreditar na incrível habilidade das gerações mais jovens em lidar com as novas tecnologias e na sua capacidade de absorver o frenético fluxo de informação e estímulos. Uma pesquisa do Colégio Charles E. Smith de Ciência, da Florida Atlantic University, explorou esta premissa com rigor científico, e os resultados não surpreenderam.

O estudo, cujos resultados foram publicados na revista Applied Neuropsychology: Adult, observou estudantes universitários da segunda geração dos Millennials, aqueles que nasceram após os anos 2000, em um mundo já conectado pela internet. Ao todo, 177 participantes compuseram os três grupos, em um ambiente simulado de trabalho. Um deles era submetido a interrupções de TI, usando seus smartphones e redes sociais normalmente, outro ficou privado desse uso e um terceiro serviu como grupo de controle. 

A observação conseguia avaliar e comparar a precisão e o tempo de resposta dos envolvidos ao executar e concluir tarefas, avaliando seus níveis de ansiedade. Um dos resultados mostrou que o grupo que utilizou da tecnologia não teve seu desempenho reduzido em comparação com o que não sofreu interrupções tecnológicas no trabalho. Ao contrário: curiosamente, o segundo grupo teve eficácia ligeiramente menor que o primeiro.

Nos três grupos os relatos de ansiedade foram em níveis baixos. Três em cada quatro estudantes se disseram “nem um pouco ansiosos” ou “um pouco ansiosos”. Não houve diferenças significativas entre os grupos. A pesquisadora sênior do projeto, Mónica Rosselli, comentou os resultados:

“Ficamos realmente surpresos ao encontrar desempenho prejudicado no grupo que não recebeu nenhuma interrupção na tecnologia da informação. Parece que a ‘Geração Net’ se esforça para mudar sua atenção e pode fazê-lo de forma mais eficiente porque a tecnologia da informação é tecida ao longo de suas vidas diárias” 

Pesquisas anteriores, envolvendo pessoas de várias idades, já haviam apontado que são necessários cerca de 25 minutos após uma interrupção de TI para retomar uma atividade e que, dentre esses casos, 41% das interrupções resultam na paralisação total da tarefa. Ao que parece e, pelo que mostrou a pesquisa, os “New Millennials” não sofrem desse mal.

O blog de ideias da GoToData

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn