Posts tagged "Artificial Intelligence"

Onde está a inteligência artificial?

16 de agosto de 2019 Posted by Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “Onde está a inteligência artificial?”

Conheça algumas das aplicações mais comuns dessa tecnologia no mundo corporativo.

A inteligência artificial é um dos ramos da tecnologia que mais avança e promete revolucionar cada vez mais nosso modo de viver, trabalhar e estabelecer relações. Tema atualíssimo, não à toa ele aparece com frequência aqui em nosso blog

Alguns usos ainda são incipientes e há outros que ainda sequer conseguimos imaginar, mas já existem alguns setores em que a inteligência artificial está em franca utilização. Um dos exemplos de aplicação mais difundida é na análise preditiva. A partir de grandes volumes de dados e da aplicação de machine learning e deep learning, sistemas podem apontar previsões com alto índice de assertividade. 

Os algoritmos das plataformas de filmes, séries e músicas, ou mesmo de venda de produtos, capazes de analisar o histórico de visualização/compra e indicar novos produtos, são bons exemplos disso. Também as previsões meteorológicas, os sistemas que indicam quando um equipamento está prestes a apresentar defeito e mesmo computadores utilizados em análises laboratoriais e diagnósticos mostram as variadas potencialidades da inteligência artificial. 

A automação de processos de Tecnologia da Informação (TI) é outro dos amplos campos em que a IA é utilizada. Além disso, o segmento se vale da especialização de seus colaboradores para adotar práticas das mais avançadas, abrigando a vanguarda no contexto das grandes organizações. Controle de qualidade e segurança cibernética também vêm despontando como foco de investimentos e desenvolvimento de IA. 

Segundo a consultoria Gartner, 75% das empresas incrementaram seus investimentos em tecnologia em 2018 com foco na melhoria da satisfação de seus clientes. E a inteligência artificial apareceu com destaque nessa pesquisa, sendo citada por 53% dos participantes como tendo o maior impacto na experiência dos consumidores. Por sua vez, 39% mencionaram chatbots e assistentes virtuais, ferramentas que também contam com a IA em seu funcionamento.

 

Rápido e sem as mãos: o “cubo mágico” e a inteligência artificial

23 de julho de 2019 Posted by Tecnologia 0 thoughts on “Rápido e sem as mãos: o “cubo mágico” e a inteligência artificial”

Algoritmo com a missão de resolver o famoso puzzle mostra avanço na tecnologia deep learning.

Quase todas as pessoas já devem ter visto um Cubo de Rubik, sobretudo após os anos 1980, quando o brinquedo virou febre mundial. Por aqui, o brinquedo batizado com o nome de seu criador ficou mais conhecido “cubo mágico” e, desde então, tem quebrado cabeças, geração após geração. Afinal, é preciso muito raciocínio para encontrar a combinação das cores de cada uma de suas faces, e não apenas a mera habilidade com as mãos para girar as partes do cubo de forma aleatória. 

Há muitos anos há competições oficiais de cubo mágico e existe até mesmo uma “World Cube Association”. O recorde mundial do cubo de 3×3, o mais tradicional deles, é de incríveis 3,47 segundos, estabelecido em 2018 pelo chinês Yusheng Du. 

Algoritmos não têm mãos, mas são bons em raciocínio lógico e matemático, disso tudo já sabemos. Pesquisadores da Universidade da California, em Irvine, resolveram desenvolver, então, um sistema de deep learning que resolvesse o Cubo de Rubik no mínimo de movimentos possíveis e no menor tempo possível. Longe de estarem apenas criando um jogador virtual, os envolvidos no projeto desejam, com essa iniciativa, auxiliar o avanço desse ramo da ciência que busca criar máquinas capazes de raciocinar, planejar e tomar decisões. 

O algoritmo criado, chamado de DeepCubeA, é do gênero “deep reinforcement learning”, que funciona sem qualquer conhecimento de domínio específico inserido previamente por humanos. A tarefa é complexa, tendo em vista os bilhões de caminhos possíveis para resolver o jogo. O sistema conseguiu, após “treinar” sozinho e aprender por dois dias, desenvolver a habilidade de concluir todos os desafios em fração de segundos, e em 60% das vezes com o mínimo necessário de movimentos – em torno de 20, conforme já foi comprovado.

O principal responsável pelo projeto, o prof. Pierre Baldi, afirma que o objetivo de projetos como este é construir a próxima geração de sistemas de IA. “Esses sistemas não são realmente inteligentes; são frágeis e você pode facilmente quebrá-los ou enganá-los. Como criamos IA avançada, que é mais inteligente, mais robusta e capaz de raciocinar, entender e planejar? Este trabalho é um passo em direção a essa meta pesada”, comenta.

Caixinhas de segredos: as máquinas que não conseguimos decifrar

26 de abril de 2019 Posted by Data Science, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “Caixinhas de segredos: as máquinas que não conseguimos decifrar”

Uso de “algoritmos caixa-preta” levantam controvérsia. Devemos usar máquinas que “pensam” sem que saibamos exatamente como?

A ameaça dos computadores insurgentes que renderam à literatura e ao cinema ótimas histórias, todas envolvendo a humanidade posta em risco pela rebeldia de suas criações, não é realidade. Pelo menos ainda.

Mas outra questão envolvendo a Inteligência Artificial (IA) tem provocado um grande dilema: muitos dos sistemas de machine learning, modalidade que abrange as máquinas capazes de aprender, são verdadeiras caixas-pretas. Falamos disso em outro artigo.

Enquanto a maioria dos softwares são codificados com lógica programável, ou seja, respondem conforme os parâmetros determinados por seus programadores, não é possível saber exatamente qual é o processo pelo qual alguns algoritmos de IA passam até que cheguem às suas conclusões.

As convolutional neural networks (redes neurais convolucionais) são um exemplo. Com seus neurônios artificiais conectados de forma a tentar mimetizar a estrutura de um cérebro humano, é difícil acompanhar e “enxergar” o que se dá nelas. Rápidas e complexas, elas complicam a vida de quem quer quer compreendê-las. Resta aos curiosos analisar seus resultados e, por inferência, supor o processo. Daí o motivo de muitos especialistas se posicionarem como contrários ao uso de algoritmos caixa-preta, ou ao menos preocupados com algumas das consequências de seu uso.

Elizabeth Holm, professora de ciência e engenharia de materiais na Universidade Carnegie Mellon, posiciona-se favoravelmente ao uso desses recursos. Primeiramente ela ressalta que, tal qual nesses sistemas, alguns processos do pensamento humano também são insondáveis. Não raro confiamos em resultados de pensamentos que não podemos descrever ou explicar, por exemplo, e que nem por isso são necessariamente ruins ou prejudiciais. Para ela, o que vale para os humanos, nesse caso, deve valer também para a máquina.

Seus argumentos seguem em torno de três regras, estabelecidas por ela. A primeira, a mais simples, determina que se o custo de uma decisão ruim é pequeno e, por sua vez, o valor de uma decisão acertada é alto, vale a pena usar.

No segundo caso, mesmo com custos altos, vale a pena usar essas caixas-pretas quando é a melhor opção para fazer determinado trabalho. Um exemplo são os algoritmos utilizados em carros autônomos, que certamente serão condutores melhores que os humanos, mas que ainda assim, se houver falha em seus processos, podem causar graves acidentes.

A terceira situação em que se justifica o uso dos black box algorithms é quando a máquina é capaz de fazer algo de maneira diferente que os humanos, ou mesmo coisas das quais não somos capazes. Aí a decisão se aproxima da opção entre fazer ou não fazer algo, entre avançar ou não em algum aspecto.

Para Andrew McAfee, especialista em machine learning e automação, impor barreiras regulatórias para o uso de caixas-pretas na IA e exigir altos níveis de interpretabilidade nos sistemas poderia retardar o progresso da tecnologia.

Há, porém, muitos outros que defendem que esse progresso não pode vir a qualquer custo. Se não é possível entender exatamente como o sistemas caixa-preta funcionam e quais parâmetros utilizam, fica mais fácil duvidar deles ou perder a confiança neles.

A IBM, gigante no setor tecnológico, respondeu a essa corrente disponibilizando na nuvem, um serviço que torna visíveis os parâmetros de IA dos sistemas da empresa e permite a detecção de vieses durante seu funcionamento. Dados de um relatório elaborado pelo Institute for Business Value, vinculado à corporação, mostraram que 82% das empresas observadas consideram implementar IA em seus processos, mas delas 60% ainda têm receio quanto a questões de responsabilidade e compliance e 63% não dispõem de recursos humanos e/ou tecnológicos adequados para incorporar a tecnologia de forma confiável.

A ideia é que a ferramenta seja aplicável também a outros modelos, ambientes e sistemas tais como Tensorflow, Watson, AWS SageMaker, AzureMA e SparkML e seja personalizável para sistemas internos das organizações. Ela permite a entrada de dados para complementar ao modelo para diminuir a tendência de viés e mostra o caminho da tomada de decisões enquanto em execução.

Além disso, já inclui parâmetros que atendem a padrões de conformidade e regulação, como é o caso do GDPR (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados, implementado pela União Europeia). A companhia também vai disponibilizar ferramentas open source e materiais que fomentem a colaboração da comunidade tecnológica em torno do assunto.

É fato que a evolução não pára e a IA veio para ficar de vez, e provavelmente questões como essa, de ordem prática e ética, se sucederão. A controvérsia dos algoritmos caixa-preta é uma das bolas da vez.

Herdeiras da imperfeição: as máquinas que erram como os humanos

24 de abril de 2019 Posted by Data Science, Tecnologia, Tendências 0 thoughts on “Herdeiras da imperfeição: as máquinas que erram como os humanos”

Sistemas de machine learning carregam e reproduzem visões de mundo dos humanos – nem sempre positivas.

Por décadas algumas das principais missões da ciência da computação giravam em torno de desenvolver algoritmos eficientes, além de códigos e equipamentos que funcionassem cada vez mais rápidos. Hoje, contudo, os holofotes se direcionam para os dados e a inteligência artificial para apontar as principais tendências tecnológicas que vão nos levar ao futuro – que, aliás, já vai se concretizando.

Grandes volumes de dados servem de subsídio para o funcionamento de sistemas de inteligência artificial, sobretudo os da vertente de machine learning e suas variáveis. As máquinas dotadas da capacidade de aprender o fazem a partir do aporte de informações recolhidas previamente, das quais sairão os parâmetros para suas predições, ações e reações.

Mas isso enseja uma das questões éticas da inteligência artificial: por mais “independentes” que possam ser, esses dispositivos são programados e alimentados por humanos e seus dados, podendo carregar, então, muitos de seus vieses pessoais, visões de mundo e distorções.

Até mesmo a discriminação de raça ou gênero pode ser replicada por algoritmos. Um notório estudo de pesquisadores das universidades de Virginia e Washington mostrou como sistemas de identificação de imagens rotularam como sendo de mulheres imagens de homens fotografados na cozinha. Afetadas pela tendência observada em seus bancos de dados, as máquinas reproduziram um estereótipo comum entre os humanos.

Em outro exemplo, a Amazon teve de abandonar uma ferramenta de recrutamento que tendia a eliminar mulheres do processo de seleção, mesmo quando uma adaptação foi feita para tornar o programa neutro para palavras com gênero. Uma das hipóteses para a distorção é que o sistema tenha aprendido com o histórico de contratação da empresa, constituinte do banco de dados. Por terem sido decisões tomadas por humanos, estão ali presentes todos os fatores discriminatórios neste tipo de situação. As fontes de aprendizado do sistema da empresa foram as escolhas feitas por recrutadores em sua maioria homens e brancos.

Os defensores da democratização do conhecimento na área de inteligência artificial e do desenvolvimento de soluções abertas se pautam em questões como essa para levantar sua bandeira. Já que é inegável o potencial transformador desse ramo da tecnologia, que ele se desenvolva sob condições de transparência e auditabilidade.

Várias ferramentas funcionam muitíssimo bem, mas são verdadeiras caixas-pretas, das quais só se conhece o produto, nunca o processo. Estes conjuntos de instruções ganharam um nome em inglês: black box algorithms. Há quem defenda sua importância e quem se empenhe em abri-las. Mas isso é assunto para o próximo post.

O blog de ideias da GoToData

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn